“Tropa de Elite” conquista o Urso de Ouro do Festival de Berlim

O filme “Tropa de Elite”, de José Padilha, foi premiado neste sábado (16) no Festival de Berlim com o Urso de Ouro de melhor filme, durante a cerimônia de encerramento da 58ª edição da Berlinale.

“Era um prêmio que eu, sinceramente, não esperava”, disse Padilha, logo após receber a estatueta.

O cineasta carioca foi bastante aplaudido pelos mais de mil convidados, Ao subir ao palco do Berlinale Palast para receber o troféu, acompanhado do produtor do filme, Marcos Prado.

A última vez que um filme brasileiro ganhou o Urso de Ouro foi em 1998, com “Central do Brasil”, de Walter Salles Jr.. A atriz Fernanda Montenegro, protagonista do filme, conquistou na época o Urso de Prata de melhor atriz pelo papel de Dora, que escreve cartas para analfabetos.

Agradecimento a Costa-Gavras

O filme, o primeiro longa-metragem de ficção de Padilha, é baseado no livro “Elite da Tropa”, que narra cenas de violência e corrupção policial no Rio de Janeiro.

“É difícil expressar sentimentos em qualquer língua. Costa-Gavras é um herói para todos na América Latina, por todos os filmes que fez”, disse o diretor brasileiro ao receber o prêmio das mãos do presidente do júri, o politizado diretor franco-grego, conhecido a partir do thriller político “Z” (1969).

O longa de Padilha concorria com 20 filmes, e a sua receptividade na crítica especializada durante o festival foi dúbia. Gerou desde críticas –principalmente ao seu excesso de belicismo e ao tom fascista– quando elogios –sendo até chamado de “o novo Cidade de Deus.”

“Tropa de Elite” ainda teve que superar problemas técnicos durante o festival. O filme foi exibido no original em português com legendas em alemão –o normal são legendas em inglês. Por causa disto, os jurados e o presidente do júri, o cineasta grego Costa-Gavras, tiveram que usar fones de ouvido, com narração em voz feminina.

Na ocasião da exibição do filme em Berlim, Padilha disse acreditar que os críticos estrangeiros que atribuíram ao filme um caráter fascista foram influenciados por colegas brasileiros que reprovam “Tropa de Elite” desde a sua estréia no Brasil.

Além do Urso de Ouro para “Tropa de Elite”, o festival deu o Urso de Prata para o documentário “Standard Operating Procedure”, de Errol Morris, sobre as torturas a presos iraquianos em Abu Ghraib. Já Paul Thomas Anderson ganhou o Urso de Prata de melhor diretor por “Sangue Negro”, que era apontado como um dos favoritos ao prêmio máximo do festival e favorito ao Oscar 2008 no próximo dia 24.

Acusação de fascista

Sobre as resenhas publicadas, o diretor afirmou: “Uns nos acharam inteligentes, outros fascistas. Na verdade, não me preocupo com isso”.

Quando falou da reação a “Tropa de Elite” no Brasil, o cineasta disse durante o Festival: “Temos uma polícia muito corrupta e muito violenta. A população odeia a polícia, com boas razões. Acho que parte do público tomou o filme como uma vingança contra a polícia, o que foi difícil, porque vingança não é um bom sentimento.”

Ressaltando que “tudo o que está no filme, de fato, acontece”, Padilha mencionou os traficantes brasileiros como violentos e cruéis. Para ele “já é hora de acabar com essas categorizações entre direita e esquerda, porque o que interessa é o que está acontecendo”.

Apesar do êxito em Berlim, “Tropa de Elite” não teve a oportunidade de disputar o Oscar 2008. O Ministério da Cultura preferiu indicar “O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias” para concorrer ao prêmio de melhor filme estrangeiro. Porém, o filme dirigido por Cao Hamburger não ficou entre os cinco pré-selecionados pela Academia de Hollywood.

Boa safra brasileira em Berlim

Outros brasileiros presentes nas mostras paralelas do festival também foram premiados. Café com leite, de Daniel Ribeiro, recebeu o Urso de Cristal como melhor curta-metragem da seção de filmes para público infantil e adolescente, Generation 14plus.

Na mesma seção, o longa Mutum, da carioca Sandra Kogut, recebeu uma menção honrosa. Outro representante brasileiro, o filme Tá, de Felipe Sholl, ganhou o prêmio Teddy, destinado aos filmes de temática homossexual, como melhor curta-metragem.

Fonte: Folha Online

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: